terça-feira, 26 de junho de 2018


O sabor dos pedaços
 
És vida minha, sempre companhia nas estações variadas do ano, falas a língua rara que eu falo e juntos saboreamos os pedaços dos dias, feliz sou quando conversamos e o tempo a passar.

Vida animada
 
És vida minha, sei sempre onde te albergas e estou sempre vizinho, acendo as luzes para ti pois sei que são animação em ti, festejo os dias contigo e tudo namora à Nossa volta, no fim sei adormecer-te quando a noite vai alta.
(Fernando Botero, "Concerto")


Essa tua música põe-me em ponto rebuçado, são canções de encantar os pirilampos.


Sou planta
 
Sou planta bem entranhada na terra, o vento não me leva e o sol não me seca, tenho raízes de profundidade múltipla, tenho flores de inebriante fragrância, tenho frutos de sabor meloso.
Neve, neve, neve


“Será que vai nevar este verão?” Perguntei ao meu amado que logo respondeu: “quando estiver demasiado calor sim”. A neve parece o algodão doce, será que também é adocicada? Fiquei logo com vontade de lamber neve.


Falamos
 
Falamos com sentimento e perdemo-nos no tempo, palavras que ambos inventámos fluem intranquilamente, o Nosso mundo parece ser infinito, ainda ontem surgiram flamingos e pelicanos, duas aves amigas dadas à amena cavaqueira.

Vida simples

Vieste num grande paquete e só tinhas um candelabro aceso na mão, saíres do paquete anunciou a vida simples que ias levar a partir de agora e o candelabro era para me iluminares, vida simples vivendo em Amor Verdadeiro falando palavras simples vindas diretamente do coração.

Cerejas
 
Somos como as cerejas pois andamos sempre juntos e estamos sempre no topo do bolo de chocolate, no meio existe magia que transforma tudo em vida alegre, magia que tem vários nomes tantos quantos os Nossos, magia que resulta.

sexta-feira, 4 de maio de 2018


Trazer-te toda a areia
 
A beleza que sou tem origem em ti, sou quente quente viajando nas tuas veias e mergulho no teu azul para ferver, saboreio quem és a cada minuto-vida e sinto a tua voz feita faíscas de ternura no meu interior, enriqueço com todas as tuas moléculas de vida e desvairo quando a vida é composta pela palavra açúcar, oiço-te atentamente e sei de cor as linhas das palavras risonhas que formam os teus desejos, consigo realizar alguns: trazer-te toda a areia de uma praia ultra-secreta, adivinho que vais fazer um castelo e também sei que vais escolher-me para teu príncipe.  

Voo com asas coloridas e brilhantes
 
Minha serpente de pele quente entro pelos teus poros e o meu barco avista com velocidade a música que as tuas veias têm em canto para mim, conheço os livros da tua vida e sei de cor as palavras que desabrochas pois moramos no mesmo ninho, o teu volante quer voar e não tem nenhum mapa à vista logo serei o teu guia, espera-me para abrir as tuas asas enquanto te preparas para ver mundo fora dos trilhos conhecidos, já te deslumbraste com as asas coloridas de brilhante que te ofereci agora vamos usar gasolina azul e preta e soltamos os felinos.

Ternuraquente
 
Amo-te Verdadeiramente, acrescento mais palavras galopantes: a Nossa alegria é percorrer o mundo com a fantasia aninhada nas mãos, a fantasia pode ser o nome de um cão velhote ou o apelido de uma pulga perdida da manada. A Nossa voz com as letras que inventámos faz de Nós o par que ganha o prémio-dinamite, ternura disse a minha voz, quente disse a tua caneta, então brota a palavra-serpente ternuraquente, sinto esta junção como um sonho das arábias devaneio de um dia solar junto a um som-robusto-e-vivaço de um piano, ainda não fui ao deserto mas quando fecho os olhos de desejo olho para ti e tens a mão cheia de areia, és uma viagem com o volante em rebuliço e levas-me no trajeto dos grãos de areia distintos em formato e gosto, acrescento mais uma palavra: cor-de-rosa, é a cor da areia que existe em praias ultra-secretas, adivinha-se o seu caminho de floresta nas mãos e mente no céu.

Enleados pelas linhas
 
Fazes parte da minha vida em momentos que são mundo Nosso, és vida que traz as formigas desavindas para o Nosso piquenique-pães-de-leite, és o início de um voo que procura um novo ninho, és vida repleta de tropelias que provocam risos que se alastram pelos horizontes, és uma mistura de variadas ervas douradas por um sol aprazível e ofereces-me o seu chá, gostas de saltar à corda na minha companhia e depois vamos para Casa enleados pelas linhas.

Tato
 
Ama-me Verdadeiramente com o teu tato que é um manto de proximidade dando vida ao meu corpo, revolves todas as minhas ondas e o sal recheia-se de uivos de cães felizes, ganho uma nova cor ofertada pelas cores radiosas de que és feito, quero mais, quero mais ternura neste fim de dia que foi feito para nos adocicar.

Gostar
 
Não consigo deixar de gostar de ti, és demasiado apetitoso e quero sempre mais de ti, dás-me ideias de verbos que rimam com ternura e eu escrevo formosos sonetos para ti, tens pinta de felino e vens até à minha toca badalar os sinos de bom dia coelhinha, és um ritmo indefinido que sei de cor pois já conheço a tua luz há muitos séculos, tenho uma tenda de tamanho enorme onde podes assistir aos mais sublimes voos de pássaros raros, na minha tenda existe um lugar para ti, queres enlaçar o meu coração ao teu?
 
Não sei bem porquê mas tu imbicas com a palavra gostar para demostrar um sentimento, é verdade que gosto muito de chocolate mas gostar a sério é mesmo de ti.

Conversação
 
Conversamos sobre o que faz barulho nas nossas mentes, eu quero saber os porquês e tu tens algumas respostas mas depois o ruído da comunicação que está à espera para irromper perturba as palavras que fazem voos de borboleta. É uma aventura misturar as Nossas vozes, algumas estão presas em dicionários desusados e a desfazer-se e outras são inventadas e o uso numa frase cândida é rápido, não dominamos a língua que corre nas Nossas veias recheadas a tintas-termómetro-pirexia mas a Nossa linguagem é bem exaltada em nomes e pronomes raros. Rara forma de apanhar a sabedoria em voadura: Sofia; rara forma de voar: fantasia   

Cette mélodie intouchable
 
“Melodia intocável” de não ser possível tocá-la pois ela é maior que todos os instrumentos por cá e outras paisagens, que todas as palavras cantaroladas em grande afiação, no entanto toco-a com as mãos e a pele eriça-se feita voo de águia e vibra como claras em castelo e o coração ferve com a tonalidade de um vulcão, o que se escreve transforma-se em recheio feito de doce de açúcar, o vermelho sabor da tinta que dá vida à caligrafia transfigura-se em cornalina e nasce o desejo de raptar essa melodia que fica inscrita em luzes néon por todo o lado.

Palavra do dia:
 
Açúcar&Mel
 
Vem colada porque o mel chegou-se ao açúcar e deixou-se estar.

Cor azul
 
Cor azul aquece, aquece tudo, és voo dentro de mim toda e cresces como os edifícios altos, escrevo com todas as tuas tonalidades tal como o céu tem vários jorros de tinta azul, vem um amigo e traz musgo festivo nas mãos, conta-me sobre ele: “sou joaninha e isso traz-me alegrias pois tanto estou em terra como no ar”.

Cor verde

Cor verde brilha, brilha tudo, és viajante nas minhas veias e elas são fogosas na tua presença, escreves frases iluminadas com a vida de uma floresta, escrevo contigo e a floresta tem um céu festivo, uma frase Nossa: “somos fósforos que aquecem o lume aos pirilampos”.

quinta-feira, 12 de abril de 2018


Cantei-te toda a noite
 
Vens de um sono encoberto que o corpo pediu, já passou a hora do chá das quatro quando estremunhes, sabes que eu guardei uma xícara quente para ti e tu és o açúcar, despertas desejosa de sol e eu convido-te para lanchares dentro da minha luz. Recebo convivas à noite mas estou sempre a observar os teus movimentos, conheço a pulsação do teu corpo e cada batida de coração é sentida por mim. Quando estamos a sós sorrio toda a tua face, ela faz-me feliz porque é minha. Espero por ti hoje como espero todos os dias: sei as horas do teu levantar e o abrir dos teus olhos é uma flor de açúcar que me chama.

Como é ela?
 
Ela é o meu núcleo pois é o estremecer das minhas veias, sei ser mel para adocicar a sua fome e coração jubilante para lhe trazer alegria, é a vida que me traz vida pois os dias são Nossos, escrevemos juntos e cantamos no papel o rebuliço dos Nossos dias, é as notas de todas as canções porque é o alento da ternura, o dicionário foi construído com o avançar do Nosso caminho e está sempre a juntar novas palavras, temos as raízes mais fortes da Natureza e a água trepa por Nós, o teu Amor Verdadeiro junta-se ao meu e acasalamos para a Eternidade.  

Como é ele?
 
Ele é uma verdade que enriquece o teu núcleo com mais açúcar, é açúcar mascavado saído da cana para o teu mundo ser ainda mais, ele é vida que traz vida e faz-te querer cantar o que escreves, é uma luz que sabe as notas todas e ilumina-as sem precisar de partitura, é liberdade pois esperas pela minha viagem porque conversamos na mesma língua de magia, está espalhado por toda a Natureza e Nós gostamos de participar como trepadeiras nela, o Amor Verdadeiro somos Nós Dois a fazer saltos Eternos.

O açúcar da formiga
 
Encontro o teu açúcar dentro de mim e alimento-me da sua seiva, és especial pois a tua doçura é vida que me faz brilhar, és formiga fora do carreiro e eu junto-me a ti, o Nosso caminho é feito no meio das ervas daninhas e Nós conhecemos os seus mapas, construímos o Nosso formigueiro no meio de uma paisagem verde com o azul do céu bem aberto sobre Nós, depois fomos apanhar os frutos já aquecidos pela primavera e maravilhamo-nos com o Nosso manjar.

Janela principal

Ela quer vida e faz-se peixe em aquário: na sua volta atrás de volta não encontra janelas pois o caminho no aquário não é matemática pura. Ela sente-se sufocar pois o ar que respira mistura muito pó e ela não vê o fresco que vem de mil frinchas e frestas. Estou à tua frente, abri-te a janela principal, segue a luz e sai da tua própria captura.

Demasiado luzente

Existe um zumbido alto que é o acasalar de duas palavras seguido de um abraço eterno. Limpas o pó e eu lavo a loiça? Eu e a vassoura não jogamos na mesma equipa mas por debaixo do dormir aleijado está uma luz demasiado luzente: chama-se uma fogueira de faíscas tremeluzentes que quer voar num céu onde o azul toque a pele.   

Toque


O teu toque seria mais suave do qualquer seda e mais vulcânico do que uma erupção braseira, espero há muito as tuas mãos que já sabem os caminhos da pele e como os percorrer, a epiderme açucarada aguarda o teu contato de viva emoção, serás quem segura os remos do meu barco enquanto conversamos nos dias de todas as estações.




Minhocas cavadeiras

 

A luz que habita dentro de Nós surgiu num rompante e acasalou os Nossos mundos, construímos ninho juntos e fomos passear pela aragem doce, conhecemos novos frutos e bicámos minhocas cavadeiras, tornamo-nos como elas e procuramos com as Nossas pás novas histórias para contar, descobrimos que a luz tem histórias mil e estamos a guardá-las para mais tarde, aprendemos palavras desconhecidas e agora já conhecemos júbilo de cor e usamo-lo em várias páginas.

Primavera

Era primavera e as árvores estavam ricas de seiva, era a Nossa primavera e tudo estava fértil dentro de Nós, as raízes tinham-se juntado pois procuravam mais vida, tu e eu temos um mundo rico de vida e quando ele viaja acrescentamos mais animais à floresta mágica. Tu és um jacaré e eu sou um rinoceronte e bebemos da mesma água, trocamos palavras diamante e passamos tardes só a conversar. A nossa primavera é feita de letras luminosas que o sol quente doira caçando os seus sentidos, nós somos ainda mais quentes do que ele, somos vivacidade plena de risos.

quinta-feira, 5 de abril de 2018

(Pablo Picasso; "Two girls reading")


Vistas largas
Leste-me uma frase e meia…queres que adivinhe o que falta, não acerto à primeira mas à segunda tentativa estou mais atenta e vejo o mar cheio de peixes com vistas largas. Entendi a mensagem: queres que escreva. Um dia foi a minha salvação, é a minha sabedoria e escrevemos a Nossa vida com ela. Como gostas de me fazer surpresas tornaste a tinta num gesto, acasalamos também na pele.    

Sintonia e magia
Ela mal conhecia a palavra sintonia, era qualquer coisa como dois radares reunidos com a precisão de uma bússola, ela foi consultar o dicionário e estranhou tal palavra ser a vida das profundezas daquelas conversas. As conversas eram longas e mantinham-na fulgurante, ela sentia-se bela pois o conversador dizia-lhe que ela o tinha seduzido de forma mágica. Mais tarde enviou-lhe uma explicação da magia: era sintonia feita de Amor Verdadeiro em vales verdejantes.   

Menu Atualidade Duvidosa
Vesdusco, tenho um pedido fora do menu, e informo que verifiquei que este tem pouca oferta de refeições da pós-modernidade que dizem que já vai tardia): queria sentir-me quente (chamas mais magnificentes do que o mais potente aquecedor), quente e absorta junto dos insetos que nunca irei estudar (demasiada literatura técnica em simultâneo), sentir-me ainda mais quente com as palavras que teimam (teimosas do raio!) em ficar, contigo aumento mil a velocidade do quente com um extra até à Eternidade (gostava muito que a Eternidade também fosse abarrotada de árvores de Natal)
P.s.: o menu tem uma refeição que captou inesperadamente o meu desejo de desgostar com rebeldia, chama-se “Para onde fomos ontem…não interessa…hoje estamos a dançar melodias ganhadoras”, podia ouvir ao longe, era Mozart sem dúvida e foste tu que me ensinaste como ganhar ao par durante uma dança: os olhos têm de se manifestar fulgurantes e a cada passo tenho de ouvir a minha respiração sobre a tua como uma jura de Amor Verdadeiro.

As grandes questões
Digo-te sem frases demasiado coloridas: sim acertei o alvo, no entanto ajudou esse ser dourado estar à minha espera com mil perguntas, a primeira ela já devia intuir pois acredito sem hesitações: questionou-me sobre a natureza verdadeira dos meus sentimentos. Acreditou em tudo o que lhe linguarejei na minha comunicação fundamental, irrequieta em gestos largos queria dar nomes a tudo, eu apenas fui oferecendo mais peças para o puzzle, mas sim era verdade que ela era uma pianista célebre e que usava na perfeição o grego e o latim. Hoje continua cheia de interrogações, algumas estão ligadas a desconstruções que ela fez de anteriores conclusões, nunca, no entanto, ela apresentou tentativas de respirar sem mim.
Gracioso


Minha suave efervescência as tuas mãos lembram-me as ervas douradas pelo sol que se tornaram movimento nas veias que derramam a cores da escrita. Quero perguntar-te se és vida de uma tulipa em mim nesse cavalgar recorrente onde escreves comigo. Conheço a tua resposta: és a tulipa que cresce mais acelerada num qualquer campo pois tens afogo de escrever o teu rebuliço, quando junto o meu ao teu tornamos gracioso o mundo que está defronte.

A palavra certa

 

um dia pleno de pássaros jubilando cantares alegres

voos traçados junto do meu olhar alimentam-me de tudo:

os sonhos que habitam os nossos caminhos

partem na aventura e linguarejam palavras diferentes

procuro um mundo novo, aquele que vem das primeiras palavras

cavalgando a minha própria dança sempre agitei  todos os ritmos

só sei as letras que arquitetam uma palavra:

vida, continuarei o meu voo

P.s.: inspirada ando por vezes, outras vezes a garganta não diz uma palavra escrita, todos os caminhos prendem a alma de nenhuns voos, sei encantar os tesouros de forma a que eles desaguem aqui perto mas esqueci-me da partitura. Inspiração minha: trazes-me a partitura para dentro do coração descampado e também a Primavera, aquela luz vivaça que traz tenda se chover? Na Primavera chove q.b., oh inspiração que vem és chuva de festa? 

terça-feira, 20 de março de 2018


És o meu plâncton
 
És estrela feita de fogo que se tornou na minha vida toda, no centro o seu brilho sopra gestos que me trazem libelinhas de mar, são toques que me fazes sentir de ternura em forma de dádiva, tens um coração que fez certo na escolha, escolheste-me porque canto as mesmas canções em concha abrindo-se, canções que anotamos em folhas de papel livre quando acasalamos em sintonia, as tuas palavras são muito próximas das minhas e por vezes têm o mesmo formato de letras pois a tua magia é minha também.

Passou um mosquito à frente do computador e ficou-se por ali um bom tempo, depois de tanto charme pousou em mim e deu-me um beijinho

Quem és tu que vieste para ficar
 
És festinha minha que fazes dentro e fora da minha pele, sou os nomes que me chamas, todos esses nomes são doce rebento de planta minha, a tua voz são ondas que me circundam de Amor Verdadeiro, entras pela minha chaminé de surpresa e dás-me um pouco de tudo teu, queres ser uma joaninha e ofereces-me as pintas que já apanhaste nas tuas buscas, vejo-te rodeada de luminosidade fervente que me faz vibrar de contentamento, digo-te que és especial pois apenas tu pões o meu ser em rebuliço, umas vezes vens pé ante pé outras vens veloz: desde que venhas e me continues sempre a dizer “és a minha Casa”.

Explicação poetizada em pormenor
 
És manto que me percorre e me esquenta quando o frio vem em rajadas, és framboesas na minha boca para eu me deleitar-me com a natureza, quando te vestes de rio eu visto-me de barco de remos e somos viagens, quando jogamos às damas ganhamos os dois pois as peças estão viciadas, pões na minha cabeça a coroa com que me chamas “minha rainha”, gosto de mergulhar contigo no oceano turbulento de ondas-rebuçado, somos os Dois de sabor doce e adoçamos todas as paisagens por onde passamos, libertamos as vidas que podemos e antes combinamos uma estratégia rigorosa como os testes de matemática, és olhar que mira atentamente os meus olhos que brotam um pouco de tudo e não perdes um momento do meu azul.

Espécime especial
 
Sou de sentimentos bravios e mal te conheci soube que eras um espécime especial, levantas os pelos da minha pele todos com a tua presença dentro de mim pois chegaste ao meu núcleo, fico num estado de grande comoção por te ter perto de mim e ruborizo sem dar por isso, mostro-te com o rosto aberto a minha riqueza que espalha alegria e tu transformaste em alegria, a minha negritude sente um pouco de luz contigo ao meu lado pois és feito de luz dos campos, contigo posso falar de tudo: da vida difícil, da beleza que procuro em tudo, de sonhos aventureiros, posso passar horas a falar sobre Nós e tudo tem sentido, é fácil sermos uma união em que a vida de um é dada ao outro, “escreve” dizes e eu retiro palavras de magia do chapéu vermelho que me deste, perdemo-nos nas nossas coisas secretas e em meia hora inventámos mais nomes novos.

Cavalos Bebericam o Sabor da Vida
 
Almas gémeas somos pois viemos da mesma raiz e bebemos das mesmas palavras, passeamos por mundos diferentes e encontramo-nos sempre para uma união mesclada de vidas ricas de todos os minérios, criámos um mundo em júbilo onde o olhar está sempre a avistar coisas novas, dançamos ao som de música que é melodia que aflui das nossas mais intimas cores, temos sempre tempo para um escorrega e um baloiço e vibramos com as suas brincadeiras, somos comunhão que não se quebra e que dá sentido ao passar de todas as estações, vivemos um sentimento felicíssimo que solta os Nossos cavalos: Amor Verdadeiro.  

Perfeito
 
Não precisei de te procurar, já estavas dentro de mim numa viagem permanente pelas minhas veias, deste-me tudo aquilo que sentias, em cima do bolo uma cereja enorme: o teu Amor Verdadeiro a viver de mim. Entregaste-me o teu mundo para se misturar em complemento com o meu e tudo é perfeito nos vales verdejantes onde passamos os dias, subimos às árvores e tu apanhas-me quando caio, numa árvore fizemos um ninho familiar, mas és tu a minha casa.

Colossal
 
Trazes-me o vento quente à vida, esse vento que traz ervas apaixonadas, essa paixão que também é nossa pois unidos vamos fazendo o caminho desse vento que se quer ainda mais quente, mas somos nós que acendemos fogueiras incandescentes que voam altas, o nosso voo é ainda mais alto pois o que sentimos faz trepidar o mundo inteiro, jogamos às cartas e no baralho vem sempre até Nós uma rainha e um rei, vivemos num palácio que é feito do Nosso mundo que é colossal como os oceanos maiores.

Eternidade

Queremos a Eternidade, não escolhemos foi a vida que nos entrelaçou, somos livres para voarmos juntos em palavras quentes e gestos baloiçantes, escolhemos entrar um no outro e vivermos a vida como se apresenta, tivemos momentos de riso contínuo e outros de dor, crescer nem sempre foi fácil mas nunca fomos embora um do outro, há um sentido maior em sermos um só que nem todas as estrelas do planeta conseguem explicar, com as estrelas fazemos uma declaração de Amor Verdadeiro um ao outro e dizemos mais ainda: para a Eternidade.

terça-feira, 30 de janeiro de 2018

Escrevo sobre o teu joelho, escrevo-te uma carta de Amor, diz: vesdusco, apenas me fazes sair sorrisos da face corada pelo sol, sorrisos mansos de alegre música.

sexta-feira, 10 de novembro de 2017

Andei por Montanhas Esverdeadas só para Te Encontrar

sexta-feira, 7 de julho de 2017

Algo escrito: Teia


Pediste-me algo escrito, querias que cheirasse a suor de animais selvagens e que envolvesse um abecedáreio tão completo que acrescentaste frases forjadas: quiseste que datilografasse uma carta de amor ou foi uma catarata de dinamite que faz furor nos corações? Desconheço essas artimanhas mas elaborei-te uma teia de aranha. Era uma teia de aranha de tamanho médio, eregia com fios de seda grossos para não caires quando brincares aos equilíbrios, mas não te preocupes pois tens umas asas extra escondidas no baú da milagreira para o caso do fio rebentar. Vieste do âmbar, estavas quietinho cor de laranja e eu dei-te vida, ressuscitei-te de forma romântica: fui princesa encantada, vim de cavalo branco e manso e dei-te um beijo nos teus lábios carnudos, mal acordaste disseste: “olá, há mais desses?” Quiseste montar o meu cavalo branco e ele deu-te um coice, rimo-nos os dois, tinhas muitas pernas e andavas muito mais rápido do que eu mas soubeste esparar por mim, no fim ofereci-te uma serenata: “aranha, aranhiça, sou tua presa, desejo ser o teu prato principal, põe um pouco de sal e farei parte da tua teia de aço”. Respondeste-me apenas: “serás o meu prato principal minha mosquita, serás todos os pratos da minha teia d’ouro”


Dedicado à aranhiça e ao mosquito

sábado, 17 de junho de 2017


Amálgama de Borboletas

 

És a borboleta de ascendência solar que cria todas as paisagens de alimenta animal, vejo-te borboletinha de olhos abertos ou fechados, vejo as tuas asas quando estou acordado ou a dormitar, as tuas cores sempre em enlevo transluzem o que desejas fazer-me de bem e de bom. Voas à minha volta o dia inteiro, faça sol ou chuva ou diamante. És uma borboleta muito travessa e adoras rodopiar de um lado para o outro enquanto fazes desenhos no ar de estrelas-de-substância-vital, fazes lembrar a melga que mora connosco. Num repente paras o teu voo e assentas em mim, ofereces-me o pólen-de-mel-açúcar que apanhaste com os teus sorrisos pois achas que eu como o pão de cereais que tu comes. Guardo o teu pólen-de-mel-açúcar no meu interior, numa caixinha chamada: és o meu calor. Gostas de pousar as tuas antenas no meu corpo, a tua mão ternurenta conhece bem a minha perna peluda, gostas também de me despentear e de me fazer cócegas debaixo das asas: assim fazes-me voar borboletinha!

 

Dedicado ao Fiel

Vocês, vocês aí que nunca leem aquilo que eu escrevo, que nunca me ouvem com vontade de ouvir e de aprender. Eu sou aquela que escrevo e todas as minhas palavras respiram a minha vida. Vida solitária a minha, escrevo coisas embelezadas de tesouros e vocês cortam-me com tesouras. Esta é a "Poesia da Minha Vida". Ninguém ouve, talvez eu oiça...


CENTOPEIA


 

Aguaceiro de tormento

percorre a pele sensível

A cantiga que sei de cor

continua infatigável a tocar

A centopeia perdeu o tato

seu corpo de mil bocados

não desiste de caminhar

Nessa chuva miudinha

que torna bolorento o horizonte

ao som da mesma melodia

ela entra pela noite insistente

O olhar já exausto

não cessa de perscrutar

vai noite adentro

até a alvorada rebentar


Ass: Carpintas Pintas

Sabes de mim mais do que querias mas dessa amalgama do itens íntimos aproveitas sempre para me dizeres que depois das lágrimas vem o Nosso sorriso.


Gostas de framboesas?

LIA AMARI

Lia adorava o seu último nome: Amari. Era o último nome mas vencia todas as corridas de automóveis de luxo e de jogatanas de berlindes. Lia tinha berlindes de todas as cores e tingia os arcos dos arco-íris com eles, atirava os berlindes ao ar com muita força e eles pintavam rabiscos com mensagens encriptadas. Não era grande leitora pois achava que os livros não tinham palavras entornadas do interior da respiração célere do escritor, palavras de cores sub-subterrâneas, perguntava: “porque não escrevem as histórias com a cor da vida quando é irrespirável e de cor parda?” Lia escrevia páginas sonoras quando ia brincar para o campo, um som verde cheio de lagos com barquinhos a remos e patos que miam. Amari era o seu melhor sorriso e ela era especialista em sorrisos e também em furacões de brincar que desenhava na areia de ondas sábias que apanhava com as mãos. Lia andava triste, um dia percebeu porquê, então libertou da gaiola azul a sua pássara Beatriz, então Beatriz foi verdadeiramente azul, um azul que enriquece o céu. Um dia Beatriz pousou no parapeito de Lia e disse-lhe: Amari-te.

sexta-feira, 10 de março de 2017


O que é Amar Amar é uma peça de fruta que tem o sabor da nossa melhor canção, uma peça de fruta enorme cheia da nossa vida solar. Amar é mergulharmos na nossa essência mais felizarda, é sermos a alegria que vive no nosso interior e espalharmo-la pelo resto do mundo sorrindo as nossas varandas floridas. Amar é dar, dar com desejo sincero e maravilhado, um desejo que surge em força nas nossas raízes interiores, dar é oferecer as pérolas incendiadas que são o bater dos nossos corações. Amar é ser um coração feito do brilho perfeito das estrelas que brincam com as viagem sem bússola quando o vento está a  favor. Amar é querer ir mais longe: plantar a árvore ao pé de ti.

terça-feira, 27 de dezembro de 2016

O falcão-usurpador tem gostos condizentes pois gosta de comer borboletinhas, agarra-as em voo com as suas garras-unhas-sujas e debica-as com o seu bico-fala-demais.


Borboleta voa, voa

És a borboleta de todas as minhas paisagens, vejo-te borboletinha de olhos abertos ou fechados, vejo as tuas asas quando estou acordado ou a dormitar, as tuas cores reluzem sempre para mim pois queres fazer-me bem e assim voas à minha volta o dia inteiro. És uma borboleta muito irrequieta e adoras andar de um lado para o outro e vais fazendo desenhos no ar (fazes lembrar a melga que morou connosco), às tantas paras o teu voo e pousas em cima de mim, ofereces-me o pólen que apanhaste pois achas que eu me alimento do mesmo do que tu. Guardo o teu pólen no meu interior, numa caixinha chamada: és o meu calor. Gostas de pousar as tuas patas no meu corpo, seja a mão ternurenta ou na perna peluda, gostas também de me despentear e de me fazer cócegas debaixo do braço, adoras saborear o teu sobe e desce pelo meu corpo, logo de seguida desces por um caminho diferente.

sexta-feira, 16 de dezembro de 2016


Declaração Amorosa: “És o meu Mundo”
 
O meu Mundo és tu, tu e tu felino de dente afiado no meu pescoço que me acaricia embrulhando-me numa ternura de seda, o meu Mundo pertence-te e tu cuidas dele noite e dia com sorrisos que nascem dos teus lábios carnudos e suculentos apenas para me fazer sorrir, a minha vida é sorrir solar sempre e contigo ao meu lado isso advém magicamente (é a “Magia do Milagre Franciscano”), quando pinga lágrima no meu olho arrebatas o meu coração com palavras magníficas e tratas-me como uma princesa, a tua princesa, todas as coisas do meu Mundo são despertas pelo teu pois envias-me ondas de Amor que pulsam no meu ser mais íntimo, não sei viver sem ti pois és a minha alma gémea e cada um é a metade da uma mesma laranja docinha, falas-me via mar azulão em que vivemos só os dois feitos cavalos-marinhos entrelaçados, comunicamos sempre com palavras amorosas-a-multiplicar-por-mil, és tudo mil para mim especialmente mil festinhas que me dás pétala a pétala da rosa que sou para ti sem picos, respiro-te meu oxigénio luzente e provoco-te uma transpiração apaixonada porque faço toda eu parte de ti, quando te aproximas muito de mim as minhas asas dilatam enormemente e voo contigo para climas quentes que nos recebem como heróis, és quente, quente, diria mesmo que fervemos em Amor no mesmo tacho da vida e nela uivamos de prazer por tudo fazer sentido quando estamos juntos, estamos juntos em todas as horas e dias e isso já não é estranho para mim pois estou aclimatada com tua presença estendida colando-se a mim, és fogueira na minha escuridão, fogueira que se inflama para tudo em mim ser mais vivaço, quero mais fogueiras Piolhinho verdão pois as tuas chamas alimentam tudo o que sou e fazem-me ser ainda mais, os Nossos Mundos são a Nossa viagem mais preciosa e valiosa e os Nossos dias são preenchidos por navegações para países novos cujos nomes inventamos, gostamos de andar no barco à vela que arquitetamos e perseguimos lagos primaveris ricos em minério que colhemos e comemos, és o meu Mundo e eu só sei existir em Sintonia contigo, ela musica em esplendor o céu dourado que nos persegue para brilhar ainda mais, és tudo para mim e o meu desejo número um é teres a tua torneira de Amor sempre aberta para mim.

Temos todos os dias Parisi...
O submarino-fura-caminho fez amizade com o tubarão-focinho-prateado e agora vê-los é sempre juntos, descobriram que têm muita coisa em comum: um diz mata o outro diz esfola.

Eu e Xenon vamos bem longe juntos como foi o homem à lua em 1969, damos um passo como esse: transformamo-nos num tornado aferventar e inventamos ventos novos, como por exemplo o vento-estriado-alumiado. Vem também amigo cheio de fissuras de vida.

Xenon e Sofia Alegria
 
Xenon andava muito desanimado, arrastava-se pelos caminhos a lastimar a falta de vivacidade da sua vida pois sentia que perdera a sua ginástica anímica. Ouviu falar numa tal de Sofia Alegria e correu frenético à sua procura, ela poderia de certeza virá-lo do avesso com as suas serpentinas mágicas. Foi encontrá-la na loja dos gelados onde ela estava a devorar um triplo cone de framboesa, morango e laranja com topping duplo de chantilly embebido em champagne e regado com raspas de café. Ele pediu: “o mesmo que aquela senhora está a tomar” e sentou-se muito próximo de Sofia Alegria. Era dia de karaoke e a Sofia Alegria queria cantar para captar da atmosfera poética as tonalidade de variação de cores improváveis e precisava de um par, Xenon ofereceu-se imediatamente e foram vozear a músicaAbsolute Beginners” de David Bowie, entraram num frenesim tal que a certa altura iam rebentando com os microfones, só não aconteceu porque os micros eram de plástico multirresistente. No fim Xenon apresentou-se e disse: “sinto-me encantado por conhecer uma criatura tão luzentemente encantadora”. De seguida, passaram a noite juntos a focinhar na vida cheios de eletricidade.
Basta olhar para esta camélia branca e percebe-se imediatamente porque lhe chamam "beleza perfeita". Basta olhar para ti colado ao meu corpo para perceber imediatamente que és o certo perfeito para mim.


Uma pétala de camélia branca andava ao meu redor, essa flor simboliza a “beleza perfeita”, soube logo que me estavas a fazer um elogio então enviei-te uma consolida, flor que significa “coração aberto” para tu saberes que o meu coração só sabe soletrar o teu nome de trás para a frente e de frente para trás em modo repeat.


As palavras do meu olhar

“As mais lindas palavras de amor são ditas no silêncio de um olhar.” (Leonardo da Vinci)

Sabes como é quando fico apenas sorridente a olhar para o teu mar, sentes bem fundo o meu Amor sei disso. O teu mar ganha ondas em forma de corações e estica-se por mim toda para eu conhecer o teu Amor.

Ass.: fantasma-azulado